quinta-feira, 2 de junho de 2011

Julgando pela Capa

“Não julgue o livro pela capa”. Embora seja uma frase de efeito eu duvido um bocado que ela consiga mudar os fatos de que sim, julgamos as coisas pela aparência externa, ou, ao menos, grande maioria das coisas.

Com inúmeros recursos publicitários que temos hoje em dia, é comum existir grande qualidade de imagens ilustrando capas, o que torna cada vez mais fácil e ao mesmo tempo difícil, julgar algo pela capa. Pois uma ilustração pode ser rica em uma característica específica ou até mesmo crua, mas com uma mensagem inteligente. A criatividade é realmente ilimitada, e arte é algo universal demais hoje em dia.

Pois bem. O motivo dessa ladainha toda é que nesses últimos dias eu andei observando algumas capas.

Capas de álbuns de música; metal/hard rock, é claro.

E notei como é fácil uma capa me convencer a conferir o conteúdo do item. Ou o contrário; não me motivando a conferir. E então observei alguns trabalhos de bandas que ouço constantemente, atentando para a arte de cada capa. Arte que um dia me motivou a conferir o álbum.

Por fim, irei deixar aqui uma pequena lista de 10 capas “ricas e cruas” que me ocorreram no momento. Capas que passam mensagens, usam desenhos abstratos, ou simplesmente são belas demais a ponto de convida-lo a ver o conteúdo interno. Não esqueça de ampliar as imagens.

Papa Roach – Lovehatetragedy
A banda estadunidense que na época de seu segundo lançamento fazia um ótimo Nu Metal, deve ter surpreendido muito a critica não somente com o som mas com uma capa deveras cômica e simples.







Europe – Secret Society
Sucesso da década de 80, graças aos consagrados hits “The Final Coutdown” e “Carrie”, a banda suéca de Hard Rock voltou com muito mais peso em suas canções nesta última década. E em um dos álbuns contemporâneos a banda experimentou usar uma imagem subliminar para ilustrar o “Sociedade Secreta”.





Sonata Arctica – The Days Of Grays
E por falar em subliminar. A banda finlândesa de Power Metal, Sonata Arctica, ilustrou seu mais recente trabalho com uma arte complexa e abstrata. Essa vale a pena conferir com calma, pois em um primeiro momento não é possível entender as coisas “ocultas” nessa imagem...






Vanishing Point – The Fourth Season
E por falar em Power Metal, a banda australiana Vanishing Point traz uma imagem profunda, que pode ser interpretada de várias formas, em seu último álbum. Uma arte e tanto; uma das minhas capas preferidas.







Kamelot – Poetry For The Poisoned
E o que dizer desta capa então? Kamelot, banda estadunidense, bem consagrada por ser dona de um dos melhores Power/Symphonic Metal da atualidade. E no último álbum deles, uma capa que abusa do elemento sombrio. Uma arte que atrai e retem. Genial!






Symphony X – Iconoclast
Genial mesmo é essa arte do álbum que ainda nem saiu, da banda estadunidense de Progressive Metal; Symphony X. Sobre a temática de maquinas e domínio eletrônico e também usando um toque sombrio, esta capa tinha estar presente nesta lista.






Stratovarius – Elysium
O melhor do Power Metal, também conhecido como uma banda finlandesa chamada Stratovarius, lançou no inicio do ano esta obra fantástica fazendo forte referência ao meio ambiente. No mais, é simplesmente uma bela capa e vale a pena conferir sua arte alternativa: Darkest Hours.





Star One – Victims Of The Modern Age
E por falar em maquinas, e em meio ambiente, o projeto de Progressive Metal chamado Star One abordou tais assuntos com uma capa que lembra perfeitamente um acidente nuclear, sobre o criativo título de “Vitimas da Era Moderna”. Uma capa sem muitos elementos e com muitas mensagens.





Accept – Blood Of The Nations
“Sem muitos elementos e com muitas mensagens” talvez seja a descrição mais precisa para esta capa. Quando eu disse “capas cruas” eu me referia a esta imagem, e quando eu disse que “um dia me motivou a conferir o álbum” eu falava deste, da veterana banda alemã de Heavy Metal. Um simbolo de paz banhando em sangue. Mais que genial!





Gamma Ray – To The Metal
E pra encerrar esta lista, eu escolho essa incrível imagem que os alemães do Gamma Ray usaram. Um desenho bem abstrato, com uma serie de formas e cores em profusão absurda formando um cenário e tanto.







Termino por aqui, deixando essas capas que podem causar reações diversas. E ainda estou descobrindo se é bom ou não julgar algo pela capa...

2 comentários:

  1. Excelente post, nobre Torinks! Realmente, por vezes não devemos julgar algo apenas pela capa, mas que elas são um elemento muito importante e atrativo não se pode negar.

    ResponderExcluir
  2. Opa, obrigado pela presença lady. E no meu caso uma boa capa influência muito antes de conferir o conteúdo. Sei que é “errado” julgar pela capa, mas não tem jeito; tantos artifícios de hoje em dia são simplesmente fascinantes e convincentes, que pegam as pessoas primeiramente pelos olhos...

    ResponderExcluir